Dia Internacional da Mulher: conheça a história de luta por trás do 8 de março

Dia Internacional da Mulher: conheça a história de luta por trás do 8 de março

O dia 8 de março é sempre uma grande data de homenagens – e, muitas vezes até presentes – para as mulheres no mundo inteiro. Mas pouca gente conhece o verdadeiro motivo da comemoração por trás desta data.

No Brasil a maior parte das pessoas associa o Dia Internacional da Mulher ao acidente ocorrido na fábrica Triangle Shirtwaist em Nova York — ou, da Companhia de Blusa Triângulo, como é traduzida — em 25 de março de 1911.

É verdade que o acidente se trata de um incêndio causado pela situação precária do prédio e que mais de 120 mulheres morrem — onde a maioria delas se atirou pelas janelas para se livrar das chamas. Porém, não foi exatamente esse o ocorrido que levou a oficialização do “Dia das Mulheres”. E é isso que vamos te explicar com detalhes e — e claro: em uma linguagem leve — neste post.

Por que dia 8 de março é comemorado o Dia Internacional da Mulher?

Realmente o Dia Internacional da Mulher tem origem nas causas trabalhistas, e muitas das manifestações começaram em Nova York no ano de 1909 — note que foi antes mesmo do incêndio na Companhia de Blusas Triângulo.

Naquele ano, cerca de 15 mil mulheres protestaram pelos seus direitos de trabalho, buscando principalmente a redução da carga horário. Na Europa, por exemplo, as trabalhadoras das fábricas também se reuniram em busca de melhorias para o gênero feminino.

Foi quando em 1910, a jornalista alemã Clara Zetkin propôs uma jornada anual de luta pela igualdade de direitos das mulheres. Até então, não havia uma data definida, mas no ano seguinte, o dia 19 de março foi o primeiro a receber a jornada anual e foi também considerado o primeiro Dia Internacional da Mulher.

Dia Internacional da Mulher: conheça a história de luta por trás do 8 de março
A RiosLuz apoia a liberdade e luta pelo respeito a todas as mulheres!
Foto: Reprodução

O 8 de março que despertou a Revolução Russa

Nem todos sabem, mas o movimento feminista nasceu às vésperas da Primeira Guerra Mundial e ganhou ainda mais força no final das batalhas, impulsionando a Revolução Russa.

Em 8 de março de 1917, cerca de 90 mil mulheres russas operárias foram às ruas para manifestar contra a guerra, a fome e as péssimas condições de trabalho. A partir de então, os russos passaram a celebrar o dia da “mulher heroica e trabalhadora”.

A oficialização da data só ocorreu em 1975

No 3º Congresso Internacional Socialista, em 1921, a data de 8 de março foi definida pelo movimento. Em apoio às conquistas políticas e sociais femininas, o ano de 1975 foi intitulado pela ONU como “Ano Internacional da Mulher”, assim como também foi oficializado o Dia Internacional da Mulher.

A data é ainda mais comemorada atualmente – em que as mulheres estão mais engajadas na busca pela tão sonhada igualdade e pelo respeito na sociedade. E assim, todo dia 8 de março, ocorre no mundo inteiro milhares de protestos e marchas feministas pelo Dia Internacional da Mulher.

Dia Internacional da Mulher: conheça a história de luta por trás do 8 de março
Membros da Women’s International League for Peace and Freedom, em Washington, D.C., 1922.
Foto: Reprodução

Conheça 3 nomes importantes na luta histórica pela igualdade de gênero

Se hoje podemos votar, trabalhar, nos vestir como quisermos e usufruirmos da nossa liberdade de escolha, é porque antes de nós grandes mulheres lutaram pelos nossos direitos.

Vamos conhecer agora 3 delas que foram fundamentais para a celebração do Dia Internacional da Mulher:

1. Clara Zetkin

Como já citada acima, Clara Zetkin foi uma jornalista e professora alemã filiada à corrente revolucionária da Liga Spartacus — que posteriormente resultou na Revolução Alemã. Clara foi eleita deputada pelo Partido Comunista da Alemanha.

2. Louise Bryant

Louise também era jornalista, e embora fosse americana, participou ativamente da Revolução Russa. Suas coberturas jornalísticas sobre a I Guerra Mundial foram publicadas em diversos jornais dos Estados Unidos e do Canadá.

3. Aleksandra Kollontai

Entre os Bolcheviques, Aleksandra foi a principal feminista da Revolução de 1917 — aquela que ocorreu no dia 8 de março. Ela foi a primeira mulher com cargo de Ministra no mundo, nomeada como comissária do povo para assuntos do bem-estar social.

Nós da RiosLuz valorizamos a luta diária de cada mulher e por isso oferecemos as melhores semijoias finas folheadas a ouro para você encarar a rotina com o glamour que merece.

Conheça a nossa loja virtual para aproveitar a garantia exclusiva e os preços incríveis que preparamos para celebrarmos ao seu lado o Dia Internacional da Mulher!

riosluz semijoias

0 Compart.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *